A QUESTÃO DO “COMUM” NO CONSTITUCIONALISMO LATINO-AMERICANO

MARIA DE FATIMA S. WOLKMER, EVILYN SCUSSEL

Resumo


O presente artigo aborda as mudanças ocorridas nos Estados latino-americanos a partir de processos constituintes com efetiva participação popular, que representam a possibilidade de renovação no âmbito da política, dos mercados, dos ecossistemas e da justiça social.  Nesse sentido, destaca-se a idealização de um projeto por uma nova perspectiva de desenvolvimento humano expressa no novo constitucionalismo pluralista dos países latino-americanos, representado principalmente pelas Constituições do Equador (2008) e Bolívia (2009). Assim, o objetivo deste estudo consiste em analisar a aparente articulação entre o comum e os elementos inovadores no novo constitucionalismo latino-americano, em direção à construção de sistemas adequados de proteção aos bens comuns. Para alcançar o objetivo proposto, aplicou-se o método hipotético-dedutivo, com o emprego de procedimento monográfico e das técnicas de pesquisa bibliográfica e documental, com consulta a livros, revistas e material coletado via internet sobre o constitucionalismo latino-americano e os conceitos do “comum” e “buen vivir”.


Palavras-chave


Novo constitucionalismo latino-americano; Comum; Bens comuns; Buen vivir; Equador.

Texto completo:

79 - 104

Referências


ACOSTA, Alberto. El buen vivir en el camino del post-desarrollo: una lectura desde la Constitución de Montecristi. Berlim: FES, 2010. Policy Paper 9.

_____________.; GUDYNAS, Eduardo. La renovación de la crítica al desarrollo y el buen vivir como alternativa. Journal of Sustainability Education, mar. 2012.

BERNARDES, Márcio de Souza. A (re)invenção do comum no novo constitucionalismo latino-americano: ecologia política, direito e resistência na américa latina. 2017. 311 f. Tese (Doutorado em Direito) – Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

BOLLIER, David. Pensar desde los comunes: una breve introducción. Primera edición colaborativa: Sursiendo, Traficantes de Sueños, Tinta Limón, Cornucopia e Guerrilla Translation. Noviembre, 2016. Hamherst: Commons Strategies Group, 2016.

COORDINADORA ANDINA DE ORGANIZACIONES INDÍGENAS (CAOI). Buen vivir/vivir buen. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2018.

DALMAU, Rubén Marínes. Asembleas constituyentes e nuevo constitucionalismo en América Latina. Tempo Exterior, n. 17, p. 5-15, jul./dic. 2008.

FAGUNDES, Lucas Machado. Juridicidades insurgentes: elementos para o pluralismo jurídico de libertação latino- americano. 2015. Tese (Doutorado em Direito) – Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

FLÓREZ, Margarita. Lo público? Lo común? O lo nuestro, lo de todos! In: HELFRICH, Silke. Genes, bytes y emisiones: bienes comunes y ciudadanía. Fundación Heinrich Böll, Oficina Regional para Centroamérica, México y Cuba, Agosto de 2008.

GRZYBOWSKI, Cândido. Bens comuns e bem viver. Passerelle, n. 6, jun. 2012. Os bens comuns modelo de gestão dos recursos naturais. Disponível em: < https://www.coredem.info/IMG/pdf/bens_comuns.pdf >. Acesso em: 10 mar. 2018.

_____________. Água: um bem comum. Carta Maior, 25 mar. 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2018.

HELFRICH, Silke. Bienes comunes y ciudadanía: uma invitación a compartir. In: HELFRICH, Silke. Genes, bytes y emisiones: bienes comunes y ciudadanía. Fundación Heinrich Böll, Oficina Regional para Centroamérica, México y Cuba, Agosto de 2008a.

_____________. Commons: âmbitos o bienes comunes, procomún o “lo nuestro”. In: HELFRICH, Silke. Genes, bytes y emisiones: Bienes comunes y ciudadanía. Fundación Heinrich Böll, Oficina Regional para Centroamérica, México y Cuba, Agosto de 2008b.

HINKELAMMERT, Franz J. La vida es más que el capital: la democracia de ciudadanos y el proyecto de la sociedad en la que quepan todos los seres humanos. Revista Jurídica, CCJ/FURB, v. 11, n. 21, p. 13-23, jan./jun. 2007.

LEROY, Jean Pierre. Mercado ou bens comuns?: O papel dos povos indígenas, comunidades tradicionais e setores do campesinato diante da crise ambiental. Rio de Janeiro: Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional (FASE), 2016.

MATTEI, Ugo. Uma breve genealogia dos “bens comuns”. Revista Instituto Humanitas, Unisinos, jun. 2011.

MEDICI, Alejandro M. Teoría constitucional y giro decolonial: narrativas y simbolismos de las constituciones, Reflexiones a propósito de la experiencia de Bolivia y Ecuador. Revista de Estudios Críticos, Universidad Nacional del Comahue, n.1, p. 94-124, 2011.

MENDES, Alexandre Fabiano. Direitos humanos e interculturalidade constituinte: reflexões a partir da experiência boliviana. In: BELLO, Enzo (Org.). Ensaios críticos sobre direitos humanos e constitucionalismo. Caxias do Sul: Educs, 2012. p. 151-159.

NEGRI, Antonio. O poder constituinte. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

RADAELLI, Samuel. Constitucionalismo comunitário da alteridade: a experiência andina na perspectiva do pluralismo jurídico e da Filosofia da Libertação. 2017. Tese (Doutorado em Direito) – Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

RIVERA LUGO, Carlos. La constitución de lo común. Rev. Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 8, n. 4, 2017.

VICIANO PASTOR, Roberto. Estudios sobre el nuevo Constitucionalismo Latinoamerican. Valencia: Tirant lo Blanch, 2012.

_____________. DALMAU, Rubén Martínez. O processo constituinte venezuelano no marco do novo constitucionalismo latino-americano. In: WOLKMER, Antonio Carlos; MELO, Milena Petters. Constitucionalismo latino-americano: tendências contemporâneas. Curitiba: Juruá, 2013. p.154-168.

_____________. _____________. Fundamentos teóricos y prácticos del nuevo constitucionalismo latinoamericano. Gaceta Constitucional, n. 48, 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2017.

WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo jurídico: fundamentos de uma nova cultura no direito. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

___________. Introdução ao pensamento jurídico crítico. 9. ed. São Paula: Saraiva, 2015.

__________. Pluralismo crítico e perspectivas para um novo constitucionalismo na América Latina. In: WOLKMER, Antonio Carlos; MELO, Milena Petters. (Org.). Constitucionalismo latino-americano: tendências contemporâneas. Curitiba: Juruá, 2013. p. 19-42. v. 1.

___________; ALMEIDA, M. C. Elementos para a descolonização do constitucionalismo na América Latina: o pluralismo jurídico comunitário-participativo na Constituição boliviana de 2009. Crítica Jurídica, v. 35, p. 23-44, 2013.

_____________; FERRAZZO, D. Resignificação do conceito de democracia a partir de direitos plurais e comunitários latino-americanos. Revista de Direitos Fundamentais e Democracia, Curitiba, v. 16, n. 16, p. 200-228, julho/dezembro de 2014.

__________; FREITAS, Raquel Coelho de. O impacto do novo constitucionalismo nos processos de construção da democracia na América Latina. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, v.70, p. 595-632, 2017.

__________. WOLKMER, Maria de Fatima S. Novos horizontes na produção do conhecimento: pluralismo, direitos humanos e a questão dos bens comuns. In: SHIRAISHI NETO, Joaquim (Org.). Novos direitos na América Latina: estudo comparativo como instrumento de reflexão do próprio direito. São Luís: Edufma, 2016.

__________; __________. Perspectiva do buen vivir na América Latina: o diálogo intercultural para um horizonte pós-capitalista. In: SILVEIRA, Brunna Grasiella Matias; ARAÚJO, Luana Adriano; ANDRADE, Paloma Costa (Org.). Direito das minorias no novo ciclo de resistências na América Latina. Coordenação de Raquel Coelho de Freitas e Germana de Oliveira Moraes. Curitiba: CRV, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.22409/rcj.v5i11.528

Apontamentos

  • Não há apontamentos.