A COLONIALIDADE DO PODER E A DEPENDÊNCIA DO ESTADO LATINO-AMERICANO: ELEMENTOS PARA REFLETIR A CONDIÇÃO PERIFÉRICA REGIONAL/THE COLONIALITY OF THE POWER AND THE DEPENDENCY OF LATIN AMERICAN STATE:ELEMENTS TO REFLECT ABOUT THE REGIONAL PERIPHERAL CONDITION

Emanuela Gava Caciatori, Lucas Machado Fagundes

Resumo


Pensar o Estado latino-americano exige a historicização de conceitos e fenômenos que ocorreram a partir da modernidade, isto é, recuperar os acontecimentos sócio-históricos, de maneira reflexiva e crítica. Esse olhar permite dimensionar a influência da colonialidade do poder. Assim, não se pode desconsiderar os processos de colonização, a sua continuidade como colonialidade e a influência direta na forma com que as instituições e as sociedades regionais se estruturaram, igualmente a inserção tardia e a forma dependente no capitalismo mundial. Logo, no marco das categorias da colonialidade do poder e da dependência, é possível objetivar uma compreensão da construção e estrutura do Estado em Nuestra América, especialmente se pensar a condição periférica da economia continental agravada por um cenário de crise institucional do Estado moderno. Frente a esta problemática, é possível refletir sobre os fenômenos como a globalização e o neoliberalismo, que têm acelerado o processo de aparição das contradições inerentes ao sistema de capital e institucional vigente. Ante o paradigma atual, propõe-se uma reflexão sobre o estado da arte do poder político institucional regional. O estudo foi desenvolvido partindo da técnica bibliográfica, com levantamento de base teórica: restringe-se, portanto, a percorrer o panorama atual sobre a temática, levantando, revisitando e examinando as principais categorias para melhor compreensão do tema.


Palavras-chave


Teoria do Estado; Colonialidade do poder; Teoria da dependência; América Latina

Texto completo:

87-109

Referências


ANSALDI, Waldo; GIORDANO, Verónica. América Latina, la construcción del orden: de la colonia a la disolución de la dominación oligárquica. Buenos Aires: Ariel, 2012.

BAMBIRRA, Vânia. O capitalismo dependente latino-americano. Tradução de Fernando Correa Prado e Marina Machado Gouvêa. Florianópolis: Insular, 2012.

BERCOVICI, Gilberto. Teoria do Estado e teoria da Constituição na periferia do capitalismo: breves indagações críticas. Diálogos Constitucionais: Brasil/Portugal. Rio de Janeiro: Renovar, p. 263-290, 2004.

CARVALHO, Laura. Valsa brasileira: Do boom ao caos econômico. São Paulo: Editora Todavia, 2018.

DUSSEL, Enrique. 20 Teses de política. 1° Edição. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

______. Política de la liberación. Madrid: Editorial Trotta, 2007.

______. Política da libertação. História mundial e crítica. Trad. Paulo César Carbonari (Coord.) et al. Passo Fundo: IFIBE, v. 1, 2014.

KATZ, Claudio. La teoria de la dependência, cincuenta años despúes. Buenos Aires: Batalla de Ideas, 2018.

MACHADO, Lucas. Reflexiones sobre el proceso constituyente boliviano y el nuevo constitucionalismo sudamericano. Redhes: Revista de Derechos Humanos y Estudios sociales, San Luis de Potosí, v. 7, n. 1, p.93-110, jun. 2012. Semestral.

PAZELLO, Ricardo Prestes. O Direito Insurgente e os Movimentos Populares: o giro descolonial do poder e a crítica marxista do direito. 2014. 545p. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Apresentação da edição em português. In: LANDER, Edgard (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciencias sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SANTOS, Theotônio dos. A teoria da dependência: balanço e perspectiva. Niterói: [s.n.], 1998. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2018.

SEGATO, Rita Laura. La crítica de la colonialidad en ocho ensayos: y una antropología por demanda. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2013.

STAVENHAGEN, Rodolfo. Siete tesis equivocadas sobre América Latina. In: Sociología y Subdesarrollo. México: Nuestro Tiempo, 1981, pp. 15‐84. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2018.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgard (org). A colonialidade do poder: eurocentrismo e ciencias sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

______. Colonialidad y modernidad/racionalidad. Perú indígena, v. 13, n. 29, p. 11-20, 1992.

______. La modernidad, el capital y América Latina nacen el mismo día. Entrevista concedida à Nora Velarde. ILLA – Revista del Centro de Educación y Cultura, n. 10. 1991, pp. 42-57.

______; WALLERSTEIN, Immanuel. La americanidad como concepto, o América en el moderno Sistema Mundial. Revista Internacional de Ciencias Sociales. América: 1492-1992 – Trayectorias históricas y elementos del desarrollo. Vol. XLIV, no. 4, 1992, pp. 583-591.

UNCTAD. Conferência das Nações Unidas sobre o Comércio e Desenvolvimento. State of Commodities Dependence - 2016. 2017. Disponível em: . Acesso: 24 set. 2018.

VILLORO, Luis. Estado plural, pluralidad de culturas. México: Paidós, 1998.

WALLERSTEIN, Immanuel. Análisis de sistema-mundo: una introducción. México: Siglo XXI, 2005.

WOLKMER, Antônio Carlos. Repensando a questão da historicidade do Estado e do Direito na América Latina. Revista Panóptica, v. 1, n. 4, p. 82-95, 2006.

______; MACHADO, Lucas. Para um novo paradigma de Estado plurinacional na América Latina. Novos Estudos Jurídicos, Itajaí, v. 18, n. 2, p.329-342, ago. 2013. Trimestral. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2018.

YRIGOYEN FAJARDO, Raquel. El horizonte del constitucionalismo pluralista: del multiculturalismo a la descolonizacíon. Em:GARAVITO, César Rodríguez (coordinador): El derecho en América Latina: un mapa para el pensamiento jurídico del siglo XXI. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.22409/rcj.v0i0.677

Apontamentos

  • Não há apontamentos.